A dor da perda de um filho

Certa vez ouvi dizer que na adversidade Jesus toma conta de todo nosso ser, de fato isso aconteceu comigo no dia 11 de outubro de 2008. Nesse dia recebi uma notícia que nenhuma mãe gostaria de ouvir, ou seja, que meu filho acabara de falecer em um acidente de moto. Naquele momento senti meu coração esfriar e ao mesmo tempo, medo, insegurança, dúvidas, e por fim tristeza tomaram conta da minha vida. Depois de algumas horas veio a confirmação de que realmente meu filho havia partido desse mundo e junto dele muitos projetos ao qual ele planejava e eu também como mãe sonhava para ele,simplesmente pararam no tempo.

A dor de não poder mais ver meu filho falar, sorrir, abraçar- me, colocar- me em seu colo, levar- me para passear, enfim não aconteceria mais. Eu não conseguia ficar em pé diante da dor que parecia me consumir e nem mesmo sequer ouvir o que as pessoas falavam para mim naquele momento. Restava- me apenas segurar a camisa de meu filho junto a meu rosto, como que em dado momento o substituísse, e chorar deitada em uma cama pois uma parte de mim também partira junto com ele. Mas como o Senhor não nos abandona nunca, eis que uma pessoa veio ao meu encontro, envolveu- me em seus braços, e disse aos meus ouvidos com autoridade que Jesus lhe concedia a seguinte frase: Assim como minha mãe ficou de pé diante de meu sofrimento, você vai ficar de pé diante de seu sofrimento, pois como filha escolhida, sentirá meu amor preencher o espaço vazio deixado em seu coração com a partida de seu filho. Sem dúvida alguma senti naquele momento, Jesus e Maria segurarem-me pelas mãos e conduzirem- me para o que seria o último momento de uma mãe diante de seu filho,que já se encontrava nos braços do Pai.

Minha dor só não foi maior que a de Nossa Senhora, que assistiu de perto todo o sofrimento de seu filho Jesus, horas antes dele morrer. Graças a Deus que teve compaixão de mim, não permitindo que meu filho sofresse. Uma frase citada na música da Adriana ( Canção Nova ) guardo em meu coração. “Lágrimas doem pra valer, mas sempre há de prevalecer. Toda vontade do Senhor presente em minha vida.” Agradeço a Jesus por ter enviado uma pessoa para ficar a meu lado durante todo tempo em que fiquei diante de meu filho, pois o Senhor quis precisar dela para amenizar minha dor, dizendo tudo aquilo que o Espírito Santo queria que eu ouvisse, para que eu ficasse de pé, conforme havia anunciado.

Meu filho foi sepultado e nossa separação foi consumada apenas fisicamente, pois ele permanece vivo para sempre em meu coração, da mesma forma que Jesus e Maria também. Sinto isso, pois na manhã seguinte ao contemplar um novo dia que surgia, perguntei ao Espírito Santo se meu filho Rafael estava feliz diante de sua nova morada, queria uma resposta concreta através de algo que pudesse ver. No mesmo instante próximo a janela de meu quarto pousou um pássaro, muito bonito por sinal, que ficou olhando para mim durante alguns minutos o suficiente para que sentisse uma paz muito grande e tivesse certeza de que minha pergunta fora respondida.

Obrigado Senhor por viver a sua palavra no evangelho de João Cap. 11 Versículos 25-26. Disse- lhe Jesus: “Eu sou a ressurreição e a vida. Aquele que crê em mim ainda que esteja morto, viverá. E todo aquele que vive e crê em mim, jamais morrerá “ .

A paz de Jesus e todo amor de Maria estejam com vocês.

Autora: Gláucia, irmã do Émerson da Danielle

930 thoughts on “A dor da perda de um filho

  1. saudade e o amor que fica eterno .
    meu filhote apenas 11 anos tem apenas 4 meses ele partiu DEUS veio busca o que e dele e difícil para minha esposa então ,eu tenho que me segura por conta dela e do meu outro filho .
    sei que ele esta nos braços do pai , engraçado essa era a música que ele so escutava eu vou volta pra casa do pai, da aline barros ,ele ganhou esse CD de uma enfermeira do hospital do cançê .
    que a paz do Espírito Santos guarda os nossos coração amém.

  2. Mãe de Gisele, chorei com o seu depoimento.Desde o dia 8 de julho de 2012, vivo essa dor. Vc tem razão, não consigo falar que só tenho uma filha….quando perguntada, quantos filhos vc tem, a única resposta que consigo dar já chorando, dois: Lucas e Catarina. Não consigo consolar ninguém, mas acho que é assim mesmo,Deus é o único consolador…Forte abraço.
    Edna

  3. Sandra -12[08]2014

    Eu conheço muito bem esta dor, hoje faz 2 meses que perdi minha guerreira.
    Minha história é longa e dolorosa, por isso vou resumi-la. Em maio de 2012 minha filha , aos 23 anos foi diagnosticada com linfoma de hodgkim, começou aí uma luta que tinha data para acabar, o linfoma era o mais facil de ser tratado, seriam 12 sessões de quimioterapia ambulatorial e ela estaria curada. Para este tipo de cancer é a quimio mais pesada que existe, é feita a cada 14 dias onde o paciente leva 8 dias para melhorar e aí volta a fazer nova sessão. Quando acabou o tratamento minha guerreira foi para o pet ct que constatou a recidva da doença, daí foram mais 4 sessões sem resultado.Na verdade era para ser o fim do sofrimento mas, era o começo de uma luta cruel, passamos a viver dentro de hospital, eramos visita em casa, meu marido passou a vuidar do nosso filho menor e eu ficava no hospital, as quimios eram agressivas, ela ficava até 7 dias tomando medicação 24 horas e os protocolos não regredia a doença. Neste primeiro hospital foram 9 meses de batalha . fomos transferida para outro hospital para fazer o transplante de células troncos, transplante autólogo que serão células dela mesma, não deu, ela estava com hipoplasia medular de tanta quimio, só restava procurar um doador na família, ela não podia aguardar um doador do banco, não havia tempo pois a doença se tornou agressiva, enfim, foi decidido pelo transplante aplo idêntico que é 50% compátivel de pais ou irmãos. Dia 30 de maio de 2014 ela recebeu as células do irmão. Não deu certo! Minha filha morreu dentro de uma UTI na qual ela já havia passado outras 2 vezes. Dia 12 de junho ela morreu,4 meses depois do avô, meu pai, que durante 2 anos eu não o via. Neste 2 anos e um mês, não ouvi minha filha chorar, reclamar, ela sorria muito, tinha muita força, muita garra, por onde ela passou ficou sua marca,O SORRISO, Sei que ela esta nos braços do pai, viva! E muito bem! Ela se chama Gisele, chama, porque ela sempre estará viva dentro de mim. Quando me perguntarem: Quantos filhos vc tem eu responderei: dois,o Leo e a Gi.
    Beijos, à partir de agora, minha amiga na dor e na saudade.

    • Querida Sandra,

      A paz do Senhor Jesus esteja com você!

      Primeiramente seja bem-vinda a esse espaço que também é teu, nossa família acolhe você de coração e em oração.
      Muitas vezes diante das situações, algumas pessoas podem não perceber, mas a Gisele ganhou essa batalha, se viu em frente a situação e foi em frente, fazendo o que era possível, e sua arma é o sorriso. Essas são as demonstrações de fé necessárias para que possamos contemplar Deus e louva-Lo, porque encontramos em guerreiras como ela a fé, a vida e o amor.
      Na dor, ela sorria, por uma única razão, ela amava, amava a vida, amava a sua família, amava o dom de ser desde aqui filha de Deus.
      Sua Gisele, sem mesmo conhece-la, nos prova que Deus está conosco nestes momentos difíceis, e que a batalha é ganha por quem luta nela.
      Há quem pense que ela não venceu a guerra, a momentos em que a saudade é tanta que até pensamos em toda a batalha.
      Mas não podemos negar, que Deus já nos mostrou que quando menos esperávamos Seu Filho Eterno, Se apresenta, ressuscitado, vivo, se frente ao cenário da cruz, encontramos o Cristo Vivo, assim, por Ele é com os nossos filhos. Não há morte, não há dor, não há sofrimento, e tudo aqui passado, foi sem dúvida, uma linda lição de amor.
      Sorrir diante da dor é o mesmo que dizer que ela só atinge o corpo, mas não atinge a alma. Sorrir quando se está com dor é dizer que no coração está o tesouro do amor de Deus.
      Na dor da saudade aprendemos na pele o que Jesus diz quando nos pede para ofertarmos nossas faces, pois é na dor da saudade, sentimos a fé de forma mais forte, a esperança de forma mais viva, assim, podemos afirmar que nossa dignidade é divina, que a nossa condição humana não nos limita apenas em corpo e sim, em alma, e uma alma que é eterna, que segue, digna, cumprindo a própria missão para que se entregue a força do abraço eterno quando encontrar do outro lado da ponte a própria filha.
      Sandra, o seu nome em grego quer dizer, mulher que ajuda a humanidade, e é no teu testemunho, falando da força de Gisele é que nos sentimos impulsionadas a continuar, lutar e esperar em missão pela vida eterna. Sentimos vontade de nos levantar para que a vida dela e de todos os outros filhos sejam testemunhados com um sorriso. Vida que faz nascer mais vida em nós, porque pelo seu sorriso que não conhecemos, mas que imaginamos, sentimos a luz de Deus iluminando nossos corações para que possamos seguir a vida de forma igual.
      Obrigada pelo teu testemunho, obrigada por nos encorajar a seguirmos com a vida, a trazer para nós a semente da esperança e nos fazer fortes para que possamos enfrentar essa vida, com saudade, com dor, mas de modo algum sem amor, pois é pelo amor, que sua filha sorri, e é pelo amor que todas nós podemos seguir para chegar do lado de lá da ponte e dar o abraço eterno no filho amado.
      Sandra, diante da dor da saudade, clame ao Pai pela força, e frente a escuridão de algumas noites traiçoeiras, encontre-se com a tua missão de pedir à Gisele a intercessão por muitas mães e pais lutam com os seus jovens filhos pela vida, para que encontrem a divina vitória.
      Deus te abençoe e te proteja, e venha sempre nos visitar.

      Abraços Fraternos,

      Eliete Gomes

    • Querida Sandra,
      Deus há de lhe dá o consolo necessário para seguir esta caminhada que não é fácil, mas percebe-se em suas palavras a presença de Deus constantemente a seu lado. Sandra, meu sofrimento teve inicio mais ou menos no inicio do seu, foi em 20/05/2012, quando meu lindo filho Igor com apenas 23 anos de idade apresentou sintomas de depressão e em 18/06 do mesmo ano, meu filho faleceu e dai para cá a minha vida mudou completamente. Poço dizer que hoje eu já consigo escrever um pouco, e foi através deste site que venho adquirindo forças, pois antes eu lia os depoimentos do blog só pela metade, eu não tinha concentração nem para ler e nem para escrever. Sou igual a você, quando me perguntam quantos filhos tenho, respondo que tenho 3 filhos: a Valéria, o Ivor e o Igor que mora no Céu. Espero um dia a exemplo da Eliete e da Regina e tantas outras mães que postam seus depoimentos no blog, poder ajudar a outras que também estão sofrendo a perda de um filho, dizendo como superei essa dor tão grande, porém minha querida hoje o que eu tenho a dizer é que o meu sofrimento só aumenta a cada dia e se eu não fosse uma mulher religiosa e de fé não sei se estaria suportando durante esse 2 anos e 2 meses sem meu filho.
      Quero sempre fazer parte das orações de todos que visitam e fazem parte deste abençoado blog.
      Abraço fraterno a você e seus familiares.
      Solimar Sousa

    • Sandra,a dor nunca vai passar, mas sempre estarão vivos em nossos corações,eu pedi dois filhos, Alessandro com 30 anos, em 2012, a dois anos, em acidente de moto, e Aline no dia, o3 de agosto de 2014.lutei com essa doença no inca e o transplante foi bem, ela conseguiu vive, 6 anos, Deus deixou uma sementinha que e o Miguel de dois anos que chora todos os dia com saudade da mãe, ele mamava no peito,ela não tinha câncer, mas a quimo deixou rachadura em seus pulmões, que era uma doença que não tem cura, fibrose pulmonar. foi muito triste, ver minha filha morrer, até o ultimo batimento do seu pequeno coração, entreguei ela a Deus se for vontade de DEUS, E SÓ REZAR

  4. Thamires, linda sua história, chorei muito, lembrei de minha filha que partiu. Meu nome é Gustavo minha princesa se foi com apenas 3 meses de vida, sinto muita saudades. Eu quero encontrá-la no paraíso. Eu a amo muito.

  5. Querida Eliete,

    Obrigada por tão lindas palavras, que Deus continue permitindo que sempre exista pessoas como vocês do grupo Filhos no Céu para proporcionar tão belas mensagens de carinho e de consolo para essa mães que como eu se encontram passando por tamanha dor.Há dias li o seu comentário, mas não encontrava forças pra escrever nem se quer uma frase: de agradecimento. Desculpe querida por alguns termos mal colocados em meu comentário, é que o estado da gente faz com que se cometa tais equívocos. Algumas vezes entrei em contato com a Regina via e-mail e uma vez eu falei pra ela que tinha o desejo de receber uma mensagem sua e do Pe. Rogério das Neves.

    Obrigada mais uma vez, que Deus abençoe a todos que fazem parte do grupo Filhos no Céu.
    Quero sempre fazer parte de vossas orações.
    Abraço fraterno
    Solimar Sousa

    • Querida Solimar,

      A paz do Nosso Senhor Jesus e o amor de Maria esteja com você!
      Muito obrigada pelo carinho, é por amor que estamos aqui, amor de Deus por nós e amor de Deus em nós. Graça e Dom de Deus.
      Quão afetuosas foram suas palavras, todas de uma mãe, que ama e ama de maneira incondicional.
      A dor não retirou de você a característica de ser mãe, esse poder a dor não tem, a dor da saudade tem alguns outros poderes sobre quem a sente, mas nunca tem o poder de te fazer menos mãe. Em todas as tuas palavras há amor, tinham amor, amor de mãe.
      Sua dor, composta com as dúvidas e as perguntas geram mesmo um desconforto na alma, não estamos preparados para as despedidas, repentinas ou não, mas isso já é um sinal da eternidade, e por essa inconformidade com a despedida é que voltamos nossos olhos para Deus, em meio as lágrimas, com os olhos turvos é que encontramos ao Seu lado o Cristo Ressuscitado. Nossa luta diária é encontramos o Cristo ressuscitado.
      Solimar, no agudo de tua dor, feche os olhos, faça uma oração de entrega total e contemple a imagem do teu filho ao lado do Cristo Ressuscitado. Imagine Jesus e ele em um lugar muito bonito, um verdadeiro paraíso, nesta contemplação entregue-se a Deus, perceberá que estará mais em paz, isso é uma prática ensinada por Santo Inácio de Loyola, que é a contemplação do evangelho, e dentro de um contexto de dor, isso alivia muito, pois o Espirito Santo nos conduz para a paz que os filhos já vivem no céu.
      Venha sempre nos visitar, teu email foi muito carinhoso, Deus está contigo, e não te perguntes mais sobre o que se passou, mas pergunte a Deus como passar, e Ele irá te conduzir. Creia, Ele não te abandou e te ama muito.
      Encontre-se em nossas orações e venha sempre nos visitar, será sempre bem-vinda em nossa sala de visita, esse espaço também é teu e essa família também é tua.

      Deus te abençoe,

      Abraços fraternos

      Eliete Gomes

  6. Querida Eliete,
    Que a graça é paz esteja com você!
    Quero pedir que ore pela minha família!
    sabe depois que meu filho se foi a sete meses,entrei em tratamento psicologístico a quatro perdi meu emprego e está sendo muito difícil,tenho confiado na misericórdia do pai e vivido um dia por vez ,mas tem momentos que sinto que não vou aguentar,penso as vezes que não sou deste mundo,vendo maldades,guerras a falta de respeito pelo ser humano.
    Fico triste,mas tenho tentado ser forte.está muito difícil arrumar emprego.peço sua oração.
    Abraços fraternos.
    Estarei orando por você e pelas mãezinhas que como eu também perderam seus amados filhos.
    Fique com Deus!

    • Querida irmã em Cristo Arlete,

      A paz do Senhor esteja com você!

      Primeiramente quero que saiba que já encontra-se em minhas orações e de todas as queridas pessoas da família Grupo Filhos no céu.
      Todos os sentimentos descritos por você são comuns, e fazem parte dessa caminhada tão dolorosa.
      Na verdade a forma como uma mãe e de uma pai que tem um filho no céu passa a ver o mundo é bem diferente, tornando-se mais sensíveis ao bem e desejando cada vez mais a distância do mal.
      Isso é comum, porque parte da tua vida, ou de você já está no eterno. Não nos conformamos mais com o mal, e isso é algo positivo, pois com um carinho especialmente materno, podemos mostrar ao mundo que a vida vale a pena ser vivida dentro do bem, participar do céu a partir daqui.
      Arlete, somente você e Deus sabem a dor que está sentindo, as pessoas em volta não sabem, podem desconfiar, mas não sabem, isso nos coloca de uma forma especial para testemunharmos o filho que partiu. Mas não se cobre, pelos sentimentos, pela saudade, isso é natural, faz parte dessa nova forma de ser mãe, pois saudade é um jeito novo de amar, com a mesma intensidade de sempre.
      Não pense nos acontecimentos posteriores a partida do seu filho, nem pense se há ou não falta de compreensão, a tua dor é suficiente, você como mãe, com o dom da maternidade não merece sofrer além daquilo que a ausência física já lhe proporciona.
      Arlete, você está passando por um processo natural, e o caminho mais suave é o de Deus, então com Deus no agudo da dor, pense no amor, com Deus agradeça ao dom da vida, das histórias, e por Deus, pense no bem que você pode promover, porque o mundo está realmente como você falou violento, e a saudade faz com que tudo fique bem diferente, pois na saudade a nossa busca constante é para que o amor encontre paz nesta missão chamada vida.
      Não desanime de orar, de rezar, de clamar, mas principalmente de amar. Pois é o amor que nos move, porque o amor de Deus nos move a completar nossa missão e o nosso amor por quem partiu e por Deus presente na Santíssima Trindade nos move para que um dia alcancemos o abraço eterno.
      Saiba que você se encontra nas minhas orações noturnas e clamo ao Pai para que Ele venha sempre ao teu socorro quando precisar. Você conseguirá, com a força de Deus, alcançar o seu propósito, pois como disse é tentando ser forte que se é forte, pois é Deus quem nos fortalece.
      E continue sempre orando pelos pais e mães que sentem o agudo da saudade como você e também buscam novas oportunidades neste mundo.

      Deus te abençoa e proteja,

      Abraços fraternos,

      Eliete Gomes

  7. No ano de 2012 estava eu com 20 anos, cursando faculdade no 2° ano e descobri que estava gravida, um verdadeiro impacto pra mim naquele momento em que estava crescendo profissionalmente e me aperfeiçoando. Nesta época eu já estava com 5 anos de namoro e recebi apoio do pai, foi um começo de gravidez muito sofrida e turbulenta, eu não acreditava que seria capaz de gerar outra vida. Nunca neguei tamanho amor pelo meu filho, quando ainda estava em minha barriga. No dia 27/07/2012 fiz a minha primeira ultrassom e vi meu filho, vi suas mãos, seus pezinhos, o formato de seu rosto, e 90% de chance de meu filho ser homem. Naquela hora vi com os meus olhos que existia sim alguém dentro de mim. E se eu já o amava dali em diante o amei muito mais. Ao tomar banho ficava reparando em minha barriga e em seu crescimento. Estava adorando o fato de ser mãe. E os dias foram passando. No dia 04/08/2012 comprei o primeiro vestido para usar e mostrar minha barriguinha de 5 meses e também uma roupinha para o meu filho. Foi a ultima manha que passamos juntos, enfim o ultimo dia. Naquele dia senti tanta disposição que não sentia a tempos. Sentia ele se movimentando em minha barriga, como era grande minha felicidade. Anoite me arrumei linda para sair e exibir ele, mais algo estava errado , meu filho estava quieto, comecei a brincar com ele e ainda assim o sentia. Anoite se foi, pela madrugada tentei dormir, mais uma forte dor me incomodava e essa mesma dor foi aumentando. Quando por volta de 6:30 hrs da manha do dia 05/08/2012 em um domingo estava sangrando demais e fui ao hospital. Com muita dor fui dopada, meu filho não tinha mais vida e precisava ser tirado de dentro mim. Enfim esse é o meu sofrimento, saber que nem tive tempo pra despedida e que nem vi sua partida. Meu coração não aguenta de tanto sofrimento. Hoje depois de 2 anos que meu filho se foi a dor ainda não passou e eu nem o peguei em meu colo, mais o amo com todas minhas formas. Faço cartas todas vezes que me bate saudade, enfim direto, não gosto de ver mulher gravida e nem criança pequena. Me doí lá dentro. Todas as cartas que eu faço a meu filho o titulo é Carta pra quem não nasceu. Depois de tanto tempo não me recuperei ainda e não sei onde e quando vai passar. Me sinto só, insegura e aquebrantada por dentro. Essa é a minha história e eu sou Thamires Ribeiro, Mãe de Endrick Gabriel Ribeiro Rodruguês, mais um anjo que mora lá no céu e que deixou tanta saudade e um enorme vazio em meu coração. Meu filho eu TE AMO e sinto sua falta eternamente, minhas cartas estão todas esperando por uma oportunidade de te entregar Obrigado pela alegria que você me concedeu Amo você meu filho.

    • Querida Thamires,

      A paz do Senhor Jesus esteja com você!

      Ao ler o seu depoimento, algo forte foi tomando conta do meu coração, que é a maneira como Deus tem para fazer você chegar até a nós.
      O nosso Grupo foi formado por dores semelhantes a tua, mães e pais que tiveram que se despedir dos seus filhos precocemente.
      E com o andar do Grupo, percebemos que todas as vezes que um filho cumpre a sua missão, Deus vem ao consolo de cada pai e cada mãe, por amor e misericórdia. Então começamos a notar o quão especial são os filhos que vão morar no céu, e quanta misericórdia que Deus tem de uma mãe que sente a dor da saudade.
      Temos muitas e muitas histórias marcadas pela dor, mas principalmente pela função maravilhosa do amor, que nos uni para orarmos e nos apoiarmos uns nos outros, por isso você chegou até aqui, porque Deus tem um amor especial, e diferente para mães e pais que tem filhos no céu.
      Thamires, você experimentou esse amor de Deus, faria qualquer coisa pelo teu filho. Você chegou perto do amor de Deus, pois o amor de uma mãe e de um pai é semelhante ao amor de Deus.
      Você viveu intensamente esse amor, e não importa o tempo que foi, o seu contato com o teu filho foi o mais profundo, no âmago do teu ser, você viveu ele, e ele viveu em você.
      A tua vida foi transformada desde a descoberta da vida dele, desde que soube que eras mãe, sabendo que gerava em ti o dom da vida, você se transformou.
      As vezes o mundo chega com várias soluções sobre essa saudade, algumas cruéis e outras com muita boa vontade, mas nada disso vai valer muito, a verdade é que você foi transformada pelo amor e pelo dom da vida, e por isso é que sua dor é individual, e Deus é quem a conhece a fundo. Porém, diante dessa dor, há uma descoberta feita antes, o amor incondicional, não foi preciso fazer nada, o Endrick foi amado desde o começo, sua vida gerou amor, partiu deixando um espaço que é só dele, de mais ninguém, então é por esse amor que vivemos e lutamos cada dia para que a dor da saudade tenha um sentido.
      Depois que se gera um filho, não há um recomeço de vida, há sim um novo começo, sua partida mostra que a vida continua sendo gerada, continua sendo amada, pois nada acabou, nenhuma vida acabou, nem a tua e nem a dele. E por esperança e fé em Deus é que continuamos a caminhada no amor, com dor, mas muito mais com amor, o amor é a nossa bandeira, porque o filho vive, está do outro lado da ponte, amando e sendo amado, e é necessário lembrar desse amor, para que a vida tenha mais valor do que a despedida. Vida é vida, despedida é passagem, então se professamos a nossa fé, acreditando que Cristo Jesus ressuscitou e que por Ele todos os seres vivem, é que seguimos em frente para encontrar a quem desejamos encontrar, quando nossa missão acabar.
      Thamires, não irá doer mais do que dói, se ver outras crianças, se parar para brincar com elas, não ira doer mais, um dia uma mãe que perdeu o bebê dela com 6 meses de idade, e isso faz mais de 20 anos, e até teve outros filhos depois disso, me disse que sentia em cada dia saudade, olhava outros jovens com a idade no qual seu filho teria, ela nunca esqueceu o bebe dela. Isso me mostrou que a marca de uma mãe é sempre a marca de uma mãe. Nada se iguala e nada pode ser comparado.
      Mas o que fazer para viver com essa dor? Então para essa resposta convocamos Deus, Ele é quem nos responde, porém, não com respostas prontas, mas com sinais, com amor, com misericórdia, estamos abertos e pronto Deus está ali, nos consolando e nos mostrando que todo mal pode ser transformado em bem, que o que dói, pode ser transformado em algo bom, em um testemunho de fé e de amor.
      Podes falar para todo que é mãe, pois Endrick teve uma que o ama muito. Pode contar ao mundo sobre o teu testemunho de mãe, de mãe coragem e forte, que confia em Deus e nesta confiança deposita a Graça e o dom da vida, que nesta confiança espera o dia onde poderá ter o abraço filial do teu filho, e nesta confiança pode dizer a todos que é o teu amor que te move, e esse amor pode mover muito mais pessoas que viveram o seu testemunho de mãe, que não perdeu um filho, mas se despediu dele para um encontro futuro.
      Grandiosa a presença de Deus no momento desta Graça. Deus esta e estará contigo, sempre, você abre a porta e Ele entra, porque ama e quer dar um testemunho do teu dom maternal para todos que possa ver a tua coragem de estar de pé.
      Thamires, encontre-se em nossas orações, e crie um missão com o teu filhinho, intercedendo com ele, colocando em suas orações noturnas os pais e as mães do Grupo Filho no céu.

      Deus te abençoe e te acompanha,

      Abraços fraternos,

      Eliete Gomes

  8. PEÇO ORAÇÃO A UMA AMIGA IRMÃ QUE NESSE MOMENTO ESTÁ COM O CORAÇÃO APERTADO E COM MUITA DOR,PELA PERDA DE SUA FILHA ISABELA MELLO PINHEL COM 20 ANOS DE IDADE EM JANEIRO DE 2013,SEMPRE ESTÁ COM ESSA DOR MAIS HOJE ELA ESTÁ PRECISANDO DE AJUDA EM ORAÇÕES,PARA ACALMAR SEU CORAÇÃO SUA FILHA SOFREU DE ANEURISMA NA AORTA DO CORAÇÃO FOI UMA MORTE SÚBITA SEM DESPEDIDA JÁ ENCONTRARAM ELA MORTA EM SEU QUARTO,EU TAMBÉM SOFRO DE SAUDADES,MAS NADA COMO DE UMA MÃE POR FAVOR ORAI POR ELA MARCIA MELLO PINHEL.

    • Querida Mônica,

      A paz do Senhor esteja com você!

      Muito lindo a tua iniciativa de buscar ajuda a Márcia, as vezes as palavras não tem tanto efeito, mas a certeza que temos é que pelo caminho da fé e com a união da oração, o amor torna-se mais forte que a dor. E pelo amor é que encontramos o sentido do dom da vida que torna o vazio um louvor em gratidão.
      Estaremos orando pela tua amiga irmã Marcia. Estaremos unidas a vocês.

      Deus esteja com vocês abençoando e fortalecendo,

      Abraços fraternos,

      Eliete Gomes

  9. BOA TARDE NAIRA, PERDI MINHA FILHA EM ACIDENTE DE CARRO TAMBÉM EM 06/07/2013 COM 26 ANOS , SÓ QUEM PASSA POR ISSO SABE QUE A DOR É MUITO GRANDE !! NÃO SEI QUE RELIGIÃO VC É ,MAS NÃO IMPORTA POIS NOSSO PAI É SÓ UM, MAS O QUE ME CONFORTOU É QUE POR INTERMÉDIO DE AMIGOS DESCOBRI UMA CASA DE CARIDADE EM SÃO JOSE DOS CAMPOS QUE É FORMADA POR VÁRIAS PESSOAS VOLUNTARIAS QUE TB PERDERAM SEUS ENTES QUERIDOS, E CONSEGUI ATÉ HJ 3 CARTAS CONSOLADORAS DE MINHA QUERIDA FILHA!
    É MARAVILHOSO SABER QUE ELA ESTA BEM E SEGUINDO SEU CAMINHO ESPIRITUAL!
    SE PRECISAR MAIS ALGUNS DETALHES ME INFORME !
    FIQUE EM PAZ, E QUE DEUS TE ILUMINE!

  10. Perdi meu filho Khauan no dia 03/05/2014 em um acidente de carro,ele tinha apenas 20 anos e um futuro pela frente com muitos planos,era meu filho mais novo,meu amigo e companheiro de todas as horas,quando recebi a notícia fiquei em estado de choque,pois ele tinha acabado de ligar e disse que já estava chegando,hoje vivo me perguntando chegando aonde?Desde esse dia a vida para mim não tem mais sentido,penso nele o tempo todo ele era minha vida,Deus tirou um pedaço muito grande de mim e que me faz muita falta,por favor alguém me ajude a superar.Naira

    • Naira tambem perdi meu filho , a diferença é que ele era um bebe…Nesse momento só tenho que te dizer uma coisa se apegue com Jesus, procure uma igreja evangelica, e concerteza Deus irá te dar força…entender nunca entenderemos mas, com jesus ao nosso lado temos conforto em nossos corações..

    • Querida Naira,

      A paz do Senhor Jesus esteja com você!

      Primeiramente queremos dizer que você encontra-se em nossas orações. E que é bem-vinda sempre que desejar falar sobre a sua dor e saudade.
      Nos parece que a ordem natural deste mundo é uma mãe prescindir o seu filho no céu. Mas isso não é verdade e desde que o mundo é mundo encontramos o relato de uma mãe se despedindo do seu filho.
      Temos o caminhar na fé para que possamos suportar essa dor, e sustentar toda a nossa fragilidade.
      Se nossos filhos cumpriram suas missões, nós ainda temos que ficar aqui, saudosas e chorosas para cumprir a nossa, receber o prêmio do abraço eterno.
      É o caminho da fé que nos consola e nos enche de esperança. Uma esperança que torna-se concreta. Porque em nome do amor que sentimos é que a esperança se aloja.
      Claro, diante da despedida, os nossos corações parecem que são pequeno para serem ocupados por sentimentos que antes nos pareciam tão distantes, como a saudade que provoca uma dor na alma, como a vontade de chorar.
      Naira, Deus não tiraria um pedaço de você, Ele não faria isso com nenhuma mãe. Se acreditamos que Jesus é o Filho de Deus, sabemos que Ele presenciou a dor de Sua própria mãe diante da cruz, por que então, Deus iria desejar que outras mães sentissem a mesma dor?
      Não, a resposta é não. Porém, em Cristo Jesus, Deus traz os nosso filhos de volta a vida. Como diz Santo Agostinho “é apenas uma passagem para a outra sala”.
      Olhamos com fé, para os acontecimentos, não ansiamos mais pelo passado, e sim para o futuro. Em outra língua a tradução para a palavra saudade é usada também para os anseios com amor para o futuro. E isso é a bem colocado para uma mãe que viu o seu filho partir, mas tem no seu coração a força da esperança a movendo para um dia o reencontro acontecer.
      Fomos invertidas em nossos sentimentos a partir do nascimento do próprio filho, o amor antes experimentado por parte. Se toda a nossa vida mudou por conta daquele momento, paramos para pensar quão grandiosa é a nossa vida por ter espaço no tempo e história para ser contada.
      Não desejávamos de forma alguma que o filho partisse, mas temos em nós a força do testemunho de que o filho vive.
      São pais e mães testemunhando a presença do filho através do amor de Deus. Pois esse amor, vivemos a cada instante, quando nos levantamos e quando caímos.
      É pelo caminho da fé que a nossa saudade nos leva para mais perto de Deus. É pelo caminho da saudade que encontramos a certeza, acima da esperança, de que os nosso filhos estão vivos.
      Temos um Deus que ama incondicionalmente a cada filho e filha. Antes de serem nosso eram já do coração de Deus. Não cremos que Ele tomou de volta, mas acreditamos sim, que Ele cuida como sempre cuidou.
      Deus ama e Deus é amor outra condição para Ele não há. Por isso, que no agudo da saudade, do sofrimento e da dor, é a Ele que recorremos.
      Se hoje a cruz está vazia, é por amor de Deus, que recebeu toda a redenção do Seu Filho para acolher na vida eterna os nossos filhos.
      Deus não nos pede nada daquilo que não podemos dar, Ele não nos pediu o nosso filho, porque eles já são do Pai Eterno, mas Ele pede para que confiemos Nele e no Seu amor. A fim de nos ajudar a testemunhar nossa missão nesta vida, e possamos mudar este mundo com aquilo que mais acreditamos que é no Seu amor.
      Naira, Deus está contigo, Ele está com o seu filho, e a presença de Deus em sua vida é a continuidade do seu filho aqui, porque do céu ele intercede ao Pai, daqui você recebe a consolação e pode testemunhar essa consolação.
      Não se cobre quanto as lágrimas, quanto a saudade, quanto ao amor latente, isso é a maternidade cobrando o seu espaço, informando que o amor de mãe se assemelha ao amor de Deus, não sinta-se constrangida com a saudade, mas com ela instale o amor e a esperança.
      Ame sempre, para que a saudade saiba que ela tem espaço no seu coração, mas será menor do que o amor que sente pelo dom da vida, pois o sentindo da saudade é o amor pela vida de quem vive e partiu, e do outro lado da ponte, espera um dia, após vê-la cumprir a sua missão, o momento para o abraço eterno. E se coloque no colo do Pai e sinta o seu pedaço de vida voltar e pulsar em seu coração, porque Deus não te abandona.
      Naira, sinta-se em nossas orações. E volte sempre quando desejar.

      Deus te abençoe profundamente,

      Abraços fraternos

      Eliete Gomes

    • Olá naira sou Elaene mãe do Felipe Ayala meu filho tambem faleceu em um acidente só q foi de moto ele se foi um dia antes de completar 18 anos de vida era meu tudo meu companheiro minha vida , no dia do aniversário dele 10 de fevereiro de 2014 eu estava velando meu amor minha vida os dias tem sido muito difíceis sem meu filho não quero acreditar nem aceitar sua partida o mundo se perdeu pra mim eu ainda estou aqui porque tenho minha filha que precisa de mim e agora como viver sem eles né amiga filhos são tudo pra gente porque Deus deixou a gente se tornar mãe e depois permitiu a partida de nossos filhos quando um filho se vai antes de uma mãe a vida também se foi naquele dia meu coração bate por bater cada segundo aq sem meu filho meu Deus tem misericórdia de nós. …

    • eu perdi meu filho jacasom nun acidente de carro quase morri mais to viva pelo espirito santo pq eu morro de falata dele entra no meu facebook marilene marcondes de uniao da vitoria parana

    • Oi NAIRA hj faz 15 dias que perdi minha filha ela e o noivo dela morreram juntos no dia 02/08/2014 acidente de carro,eles tinham 21 anos,minha unica filha mulher DEUS me deixou um menino de 11 anos que tem diabetes desde os 5 que precisa de mim 24hs por dia, so que eu me sinto morta por dentro nao sei o que fazer, ele precisa de mim mas a minha dor esta me matando nao me conformo que desespero que dor que angustia minha princesa nunca mais vai voltar. Denéia

Escreva aqui o seu comentário, seu testemunho, seu pedido. Em breve, responderemos. Paz e Bem!

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s