Bem-vindo(a)!

Guardamos nossas lágrimas para o momento oportuno. Quando o choro não é só meu. Quando desarmados e despretensiosos unimos as lágrimas e os corações. Não somos reféns nem salvadores, apenas sócios da mesma dor. Ela nos une como se fosse uma festa de contrário efeito. Que se celebra sem esquecer ninguém, como um evento que interessa a todos. Sem convite ou bilhete de ingresso. Nela todos já estão. Estão onde se encontram. E se encontram para dividir o que todos buscam: abraço, consolo, esperança… (Pe. Rogério das Neves)

Desejamos que todas as pessoas que sofrem a difícil experiência da perda de um filho tenham também a bela experiência de reencontrá-lo no Céu, isto é, no mistério de Deus.

Grupo de reflexão Filhos no Céu

Anúncios

Nossa Senhora Aparecida – 300 anos de Bênçãos

 

Oração Jubilar: 300 Anos de Bênçãos 

Senhora Aparecida, Mãe Padroeira,
em vossa singela imagem, há 300 anos
aparecestes nas redes dos três benditos pescadores no Rio Paraíba do Sul.
Como sinal vindo do céu, em vossa cor,
vós nos dizeis que para o Pai não existem escravos,
apenas filhos muito amados.
Diante de vós, embaixadora de Deus,
rompem-se as correntes da escravidão!
Assim, daquelas redes,
passastes para o coração e a vida de milhões de outros filhos e filhas vossos.
Para todos tendes sido bênção:
peixes em abundância, famílias recuperadas, saúde alcançada,
corações reconciliados, vida cristã reassumida.
Nós vos agradecemos tanto carinho, tanto cuidado!
Hoje, em vosso Santuário e em vossa visita peregrina, nós vos acolhemos como mãe,
e de vossas mãos recebemos o fruto de vossa missão entre nós:
o vosso Filho Jesus, nosso Salvador. /
Recordai-nos o poder, a força das mãos postas em prece!
Ensinai-nos a viver vosso jubileu com gratidão e fidelidade!
Fazei de nós vossos filhos e filhas,
irmãos e irmãs de nosso Irmão Primogênito, Jesus Cristo,
Amém!

Reflexão do mês de outubro

“E mandou os seus empregados para chamar os convidados para a festa, mas estes não quiseram ir ” (Mt 22,3)

Outubro é o mês do “Convite”. É o tempo no qual o Pai nosso, Rei do Céu e da terra, convoca todos nós, seus filhos, para um grande banquete de casamento para fazer-nos saborear os esplêndidos dons que preparou para nós: “Aqueles que os olhos não viram, nem ou ouvidos ouviram, nem jamais entraram no coração do homem” (1Cor2,9) que agora estão vivendo os nossos filhos, podemos vivê-los também nós, já aqui e agora, na espera de gozá-los em plenitude quando os alcançarmos no Reino dos Céus.

Para quem vive a experiência dilacerante da perda de um filho, de uma filha, de um ente querido é impossível pensar somente em uma animada festa de casamento. Antes, o convite parece quase uma afronta ao tremendo drama que está atravessando, uma falta de respeito à grande dor que sente no coração. Ninguém, se permanece fechado dentro de si mesmo, fiel a um modo próprio de pensar e de ver as coisas, poderá jamais participar. Como os convidados do casamento na parábola contada por Jesus “não queriam vir” ao banquete.

Mas de qual banquete se trata e que roupa é necessária para poder apreciar o convite e participar das núpcias? De um comportamento sem mancha? Não, Jesus nos diz que são convidados bons e maus. É necessário o melhor de nós mesmos: cada um a seu modo ser seu “esposo”, isto é, viver a fé n’Ele como história de amor esponsal.

Aquele convidado que se auto excluiu ou foi expulso não conhece Deus, portanto a si mesmo, o sentido da vida e da morte. Não entendeu que Deus é amor e vem como um Esposo. Preparou para nós uma festa de comunhão alegre com os nossos filhos. “Nós queremos vir, Senhor!”.

Refletindo e Rezando:

Participo da alegria que agora está vivendo meu filho, minha filha, um ente querido no Céu ou estou fechado no meu mundo e na minha dor? Quais são os obstáculos que me impedem? Peçamos a Maria, nossa Mãe Consoladora, para ajudar-nos a abrir o nosso coração para a Comunhão dos Santos. Nós queremos participar das núpcias eternas, viver já aqui e agora junto aos nossos filhos que estão no Céu, os maravilhosos dons que Deus preparou para nós.

Andreana Bassanetti