Reflexão do mês de junho de 2012

REFLEXÃO DO MÊS

 Junho de 2012

 “ ..a menor de todas as sementes.. ” (Mc 4,31b)

 Junho é o mês da < Pequenez>. O tempo no qual Jesus nos entrega a sabedoria das Suas parábolas para iluminar os nossos passos sob a via do Reino, onde agora vivem os nossos filhos. E nos assegura que também a menor de todas as sementes pode se tornar uma árvore madura e restauradora. Isto é também a pequenez do nosso débil coração, por graça, silenciosamente, misteriosamente, invisivelmente, n’Ele, ganha força, cresce em amor e generosidade, se expande e leva consolação não só a si mas também ao irmão que encontra.

A grande dor que uma mãe ou pai vivem depois da morte do próprio filho ou filha transforma o seu coração em uma espécie de presente e sufocante pedregulho que parece tirar até a respiração. Aquele coração materno ou paterno que até então pulsava vida, alegria e esperança, agora só verifica sentimentos de morte, tristeza e desespero.

Mas Jesus não nos deixa sozinhos com a nossa dor, a Sua presença vivificante transfigura a morte e doa vida nova, a nosso filho, a nossa filha, a nós e a todos aqueles que querem segui-lo. Então, também a nossa terra interior, tornada árida e incultivável pela dor, n’Ele, se transforma em um campo rico e frutuoso, uma alegria sem fim com os nossos filhos e tantos irmãos que caminham junto na nossa mesma estrada.

É portanto a humildade, a pequenez do coração, o segredo da nossa felicidade eterna.

Se renegamos a nós mesmos, isto é, se nos perdemos na obscuridade da terra, irreconhecível à vista, como um grãozinho de mostarda, e nos reconhecemos pequenos e necessitados de Deus aceitando o nosso limite humano, a incapacidade, isto é, a projetar o bem para nós e para os nossos filhos, renunciando aos nossos projetos, para acolher os Seus, se deixamos a nossa vontade e nos abandonamos com plena confiança à Sua, esperando com humilde paciência os Seus tempos e as Suas modalidades, então a Sua graça nos fará grandes. Também nós, de noite ou de dia, estejamos dormindo ou acordados, cresceremoss como pequenas espigas, depois grãos maduros para o Seu Reino.

Refletindo e rezando

Deixo-me conduzir pela graça de Deus ou oponho resistência? Ao dom gratuito de Deus para a salvação eterna respondo com o dom de mim mesmo, da minha vida? Aceito com humildade a vontade de Deus ou quero impor a minha? Deixo que a Sua Palavra entre em mim e me acompanhe os meus passos ou me deixo distrair por muitos compromissos e por preocupações quotidianas? Peçamos a Maria nossa Mãe Consoladora para ajudar-nos a viver a pequenez.

(Por Andreana Bassanetti, extraído e traduzido da página eletrônica: www.figlincielo.it)

Anúncios

Escreva aqui o seu comentário, seu testemunho, seu pedido. Em breve, responderemos. Paz e Bem!

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s