Evangelho do dia 30 de junho de 2017

+ Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo segundo São Mateus 8,1-4

1Tendo Jesus descido do monte, numerosas multidões o seguiam. 2Eis que um leproso se aproximou e se ajoelhou diante dele, dizendo: ‘Senhor, se queres, tu tens o poder de me purificar.’ 3Jesus estendeu a mão, tocou nele e disse: ‘Eu quero, fica limpo.’ No mesmo instante, o homem ficou curado da lepra. 4Então Jesus lhe disse: ‘Olha, não digas nada a ninguém, mas vai mostrar-te ao sacerdote, e faze a oferta que Moisés ordenou, para servir de testemunho para eles.’ Palavra da Salvação.

Reflexão

Descendo do monte e sendo seguido por numerosas multidões, é de se admirar que um indigente dele se aproxime e faça um pedido muito pessoal. Na verdade, o homem não lhe faz um pedido. Ele, no fundo, faz uma adoração e uma profissão de fé. De joelhos, diz: Senhor, se queres, tu tens o poder de me purificar. É uma proclamação que, primeiro manifesta sua reverência, depois expressa o que pensa dele, porque o chama de Senhor, e por fim, declara a primazia de sua vontade. Bastaria isso para que Jesus o abençoasse e se alegrasse com a sua fé. Mas Jesus faz mais que isso, porque confirma tudo que o homem disse. Eu quero! A vontade de Jesus é que conta. E Ele sempre deseja nos purificar. Nem sempre somos capazes de nos colocarmos de joelhos diante dele para manifestar o quanto confiamos nele, o quanto sabemos de sua onipotência, e o quanto esperamos de sua vontade amorosa. Importante seria para nós sabermos fazer outra afirmação: Senhor, se queres… eu também quero…

Pe. Rogério Augusto das Neves

Papa Francisco – audiência geral- 28/06/2017

Quando lemos a vida dos mártires, de ontem e de hoje, ficamos maravilhados ao ver a fortaleza com que enfrentam as provações. Esta fortaleza é sinal da grande esperança que os animava: nada e ninguém poderia separá-los do amor de Deus que lhes foi dado em Cristo Jesus.

Nos tempos de tribulação, devemos crer que Jesus vai à nossa frente e não cessa de acompanhar os seus discípulos.

A perseguição não está em contradição com o Evangelho; antes pelo contrário, faz parte dele: se perseguiram o divino Mestre, como podemos esperar que nos seja poupada a luta?

Assim, mesmo no meio do turbilhão, o cristão não deve perder a esperança, julgando-se abandonado. Jesus assegura-nos: “Até os cabelos da vossa cabeça estão todos contados. Não temais!” Como se dissesse: Nenhum dos sofrimentos do homem, nem mesmo os mais íntimos e ocultos, passam despercebidos ou são invisíveis aos olhos de Deus. Deus vê; e, seguramente, protege e resgata-nos do mal. De facto, no nosso meio, há Alguém que é mais forte do que o mal; Alguém que sempre ouve a voz do sangue de Abel que clama da terra. Com esta certeza, os mártires não vivem para si, não combatem para afirmar as próprias ideias e aceitam morrer apenas por fidelidade ao Evangelho. A única forma de vida do cristão é o Evangelho.

O martírio não é sequer o ideal supremo da vida cristã, porque, como diz o apóstolo Paulo, acima dele está a caridade, o amor a Deus e ao próximo. Repugna aos cristãos a ideia de que, nos atentados suicidas, aqueles que os fazem se possam chamar “mártires”: naquele desfecho final, não há nada que lembre a atitude dos filhos de Deus.

A lógica evangélica aceita, nos cristãos, a prudência e até a esperteza, mas nunca a violência. Para derrotar o mal, não se podem adotar os métodos do mal.

Uma cartinha para Papai e Mamãe do Céu…

Meus amados.

Paz de Jesus ao coração de nossa linda família.
Vou deixar aqui, a entrega de um jovem pai ao ver sua filhinha partir para o céu.
Para mim, uma demonstração de fé e confiança; de entrega mesmo.
Talvez alguém tenha visto o testemunho no programa Direção Espiritual do Pe. Fábio de Melo, no dia 14/06.
Eis a carta dele dirigida ao céu:

“Queridos Papai e Mamãe do Céu!
A minha princesinha e anjinho amado retornou ao céu.
Sei que a Senhora sabe de tudo, mas mesmo assim quero contar-lhe sob os meus olhos.
Ela é linda!
Seu perfil como que desenhado com pincel, de tão perfeitinha.
Acho que Deus estava com tempo no momento.
Os olhos dela são vivos e “falam”, tenho certeza de que a Senhora vai se encantar.
Ela é um doce de criança, a Senhora já deve ter percebido.
Mas aqui, perto de nós, ela teve de tudo que precisava, mas algumas coisas não foram possíveis. Então peço que a Senhora a ajude.
Ela não brincou no mar, peço que a leve para pular a espuminha.
Ela não sentiu a areia sumir sob seus pezinhos, e nem o calor gostoso do sol na pele salgada.
Sei que ela vai amar!!! Peço também que dê a ela um lindo velotrol, de preferência vermelho e se for possível com bolinhas brancas como uma joaninha para que ela corra pedalando e possa sentir o vento em seu cabelinho.
Ela tinha pouca convivência com coleguinhas.
Ela é um amor de menina e vai amar uma turminha sapequinha.
Leve-a, por favor, para brincar no parquinho, e balance-a no balanço beeeem altão para que ela pense que está voando.
Se bem que agora ela já pode voar.
Leve-a também para brincar de comidinhas com outras criancinhas com os pezinhos descalço na grama fofinha que deixa os pezinhos sujos.
Peço minha Mãe, que deixe ela ser criancinha por bastante horas e que quando o soninho chegar deite ela no colo do papai, da mamãe ou da vovó, ou do vovô, ou da titia ou do titio para que eles possam matar as saudades dela.
Mas peço mais!
Todas as vezes possíveis, filme ela com um bom celular daqueles que só a Senhora tem e passe na mente de todos nós como se fosse um sonho.
Deixe Mãe, que eles vejam, que eles sintam, como ela está bem.
Deixe Mãe, que eles sonhem para saber notícias dela.
Deixe Mãe que eles acordem com a sensação de que estiveram com ela nos braços.
Sabemos que ela está bem.
Sabemos que agora não há mais nada que a impeça de ser uma criancinha sapeca…”

Beijo no coração de cada um.

Stela

Eu aprendi…

Eu aprendi:

Que não posso exigir o amor de ninguém,
posso apenas dar boas razões para que gostem de mim
e ter paciência para que a vida faça o resto;
Que não importa o quanto certas coisas
são importantes para mim, tem gente que não dá
a mínima e jamais conseguirei convencê-las que posso
passar anos construindo uma verdade e destruí-la
em apenas alguns segundos.

Eu aprendi:

Que posso fazer algo em um minuto e ter que responder por isso o resto da minha vida;

Que por mais que você corte o pão em fatias,
esse pão continua tendo duas faces, e o mesmo vale
para tudo o que cortamos de nosso caminho.

Eu aprendi:

Que vai demorar muito para me transformar
na pessoa que quero ser, e devo ter paciência;
Que posso ir além dos limites que eu próprio coloquei;
Que eu preciso escolher entre controlar meus pensamentos
ou de ser controlada por eles.

Eu aprendi:

Que os heróis são pessoas que fazem o que acham
que devem fazer naquele momento,
independentemente do medo que sentem;
Que perdoar exige muita prática; condenar é mais fácil !
Que há muita gente que gosta de mim,
mas que não conseguem expressar isso.

Eu aprendi:

Que nos momentos mais difíceis, a ajuda veio
justamente daquela pessoa que eu achava
que iria tentar piorar a minha vida.
Que eu posso ficar furioso, tenho o direito de me irritar,
mas não tenho o direito de ser cruel;
Que jamais  posso dizer a uma criança que seus sonhos
são impossíveis. Será uma tragédia para o mundo
se eu conseguir convencê-la disso.

Eu aprendi:

Que meu melhor amigo vai me machucar de vez em quando,
que eu tenho que me acostumar com isso;
Que não é bastante ser perdoado pelo outros,
eu preciso me perdoar primeiro;
Que, não importa o quanto meu coração esteja sofrendo,
o mundo não vai parar por causa disso.

Eu aprendi:

Que as circunstâncias de minha infância são responsáveis
pelo que eu sou, mas  não pelas minhas escolhas
que eu fiz quando adulto
Que numa briga, eu preciso escolher de que lado estou,
mesmo quando não quero me envolver.
Que , quando duas pessoas discutem não significa que elas
se odeiem. E quando  duas pessoas não discutem
não significa que elas se amem.

Eu aprendi:

Que por mais eu queira proteger meus filhos,
eles vão se machucar e eu também serei machucado,
isso faz parte da vida;
Que minha existência pode mudar para sempre
em poucas horas, por causa de gente que nunca vi antes;
Que diplomas na parede não me fazem
mais respeitável ou mais sábio.

Eu aprendi:

Que a palavra amor perde o sentido, quando usada sem critério;
Que certas pessoas vão embora de qualquer maneira;
quer você queira ou não;
Que é difícil traçar uma linha entre ser gentil,
não ferir pessoas, e saber lutar pelas coisas que  acredita.

Eu aprendi:

Que sou mais forte que imaginava, e que posso ir mais longe depois de pensar que não podia mais;
E que realmente a  vida tem valor e eu tenho valor diante da vida !

(autor desconhecido)